Rede Novo Tempo de Comunicação

legenda

Rede Novo Tempo de Comunicação

Viramos robôs de fazer dinheiro, critica Nobel da Paz


Por marciobasso 19/06/2012 - 12h10

Para o ganhador do prêmio Nobel da Paz de 2006, Mohammad Yunus, o ser humano se tornou um “robô de fazer dinheiro” — e essa obsessão o está impedindo de enfrentar de forma adequada desafios como a erradicação da pobreza.
Fundador do Grameen Bank, que contribuiu para a inclusão social de moradores de comunidades carentes de Bangladesh ao conceder a eles acesso ao microcrédito, o “banqueiro dos pobres” falou rapidamente com a Folhano fim da tarde desta segunda-feira (18), após participar de uma sessão dos Diálogos para o Desenvolvimento Sustentável, evento que integra a programação da Rio+20.
Yunus se mostrou cético em relação aos resultados da cúpula de chefes de Estado na conferência, mas disse que ela é importante para promover a troca de ideias entre a sociedade civil. “São os indivíduos, especialmente os jovens, que podem levantar as questões que não aparecem nos textos [das negociações]”, diz.
Confira a entrevista:
Folha – O tema da erradicação da pobreza é um dos principais em discussão na Rio+20. O senhor acha que a questão está sendo tratada de maneira adequada nas negociações?
Mohammad Yunus – A estrutura econômica básica que temos hoje não contribui para acabar com a pobreza. Foi essa estrutura que criou a pobreza, e ela não pode solucioná-la. Eu sempre enfatizo que a pobreza não é criada pelo pobre; ela não é culpa da pessoa. Ela é culpa do sistema. Por isso precisamos de um sistema alternativo.
O sistema atual é fortemente baseado no dinheiro, tudo gira em torno de fazer dinheiro. A gente se tornou uma espécie de robôs de fazer dinheiro. Esquecemos que somos seres humanos. Então precisamos redescobrir a nós mesmos, lembrar que somos seres humanos. O dinheiro é parte de nossas vidas, não é nossa vida. Quando percebermos isso vamos ser capazes de resolver as coisas.
Mas o dinheiro é justamente o tema central das discussões atuais na Rio+20…
Exatamente, e esse é o problema. Porque eles não conseguem pensar fora dessa estrutura. Alguém aqui citou a mão invisível que resolve todas as coisas. Eu digo que essa mão não é só invisível, ela não existe. É um mito que não resolve os problemas, mas a gente continua dizendo que vai resolver. Isso nos dá esperança, mas continua criando problemas.
O senhor acha então que conferências como a Rio+20 são perda de tempo?
Elas são muito importantes, porque é uma chance de as pessoas se encontrarem e pensarem sobre o mundo que elas querem para si mesmas. Porque os governos vêm com seus textos já preparados e ficam tentando empurrar esses textos uns para os outros. Eles ficam presos a suas posições. São os indivíduos, especialmente os jovens, que podem levantar as questões que não estão incluídas nesses textos. É aí que as coisas começam a acontecer.
Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/1106684-viramos-robos-de-fazer-dinheiro-critica-nobel-da-paz-na-rio20.shtml