Rede Novo Tempo de Comunicação

legenda

Rede Novo Tempo de Comunicação

Prefeito ex-viciado em drogas cria comunidade terapêutica


Por marciobasso 04/07/2011 - 11h52

Um prefeito do Rio Grande do Sul, ex-viciado em drogas, inaugurou uma comunidade terapêutica para dependentes químicos que é totalmente bancada com recursos do município.
O prefeito Vicente Pires, 48, foi usuário de cocaína e crack até os 33 anos. Após passar meses internado em uma comunidade, ele se recuperou, começou a ministrar palestras e virou figura conhecida em Cachoeirinha (região metropolitana de Porto Alegre).
Entrou na política, se elegeu vereador e agora é prefeito pelo PSB. Criou um projeto para reabilitação de dependentes e decidiu tentar montar um centro como aquele onde se recuperou.
Inaugurada em abril, a comunidade terapêutica funciona em uma chácara na área rural do município e atende 30 pacientes ao custo de R$ 18 mil mensais.
Os internos trabalham no local e são atendidos por psiquiatras e assistentes sociais. Em encontros fechados, eles trabalham com as técnicas emprestadas de grupos como os Alcoólicos Anônimos.
A experiência levou Pires a um encontro com a presidente Dilma Rousseff para falar sobre centros de tratamento a dependentes na semana passada.
Segundo o município, Cachoeirinha tem a primeira comunidade do tipo bancada por uma prefeitura no país. No SUS (Sistema Único de Saúde), os dependentes químicos podem ser atendidos em Centros de Atenção Psicossocial e hospitais.
CAMPANHA
O prefeito conta que se notabilizou no município por falar abertamente sobre as drogas. “O assunto começou a ser conversado. As pessoas começaram a ver: [ele] está do nosso lado, eu tenho familiar, tenho um vizinho que está naquela situação.”
Há, no entanto, quem discorde na cidade das iniciativas da prefeitura. “A sociedade é meio crítica. Dizem: ‘vai gastar dinheiro público com drogado'”, diz Pires.
Na eleição municipal em 2008, o passado de usuário de drogas foi explorado pelos adversários, conta o prefeito. “Subiam em carro de som e me chamavam de traficante, de ladrão, maconheiro. Mas as pessoas começaram a trabalhar a nosso favor, sabiam que eu já não era.”

FELIPE BÄCHTOLD
DE PORTO ALEGRE