Rede Novo Tempo de Comunicação

legenda

Rede Novo Tempo de Comunicação

Milhões continuam sem receber ajuda no Paquistão


Por marciobasso 17/08/2010 - 01h59

Agências da ONU advertiram nesta terça-feira que a maioria das pessoas afetadas pelas enchentes no Paquistão ainda não recebeu ajuda, acrescentando que a operação de auxílio sofre com falta de recursos financeiros.
Funcionários das Nações Unidas dizem que a situação humanitária no Paquistão é uma das mais sérias que eles já presenciaram.
Segundo eles, 6 milhões de pessoas precisam de ajuda imediata. Fundos de ajuda emergencial foram prometidos para ajudar cerca de 20 milhões de pessoas desabrigadas pelo desastre.
O Programa Mundial da ONU para a Alimentação até agora só distribuiu alimentos para menos de 1 milhão de pessoas.
De meio milhão de famílias desabrigadas que ainda precisam de barracas, somente 98 mil receberam abrigo.
Segundo a ONU, os obstáculos são financeiros e logísticos, já que pontes foram destruídas pelas águas e estradas foram bloqueadas por deslizamentos de terra.
Milhares de casas e de outros edifícios, incluindo escolas e hospitais, foram destruídos, e cultivos de alimentos para consumo doméstico e para exportação foram perdidos.
Uma das questões-chave agora é se os fazendeiros poderão plantar em setembro para a colheita de trigo no inverno.
As autoridades paquistanesas dizem que o trabalho de reconstrução do país pode levar cinco anos e custar US$ 15 bilhões (cerca de 26,4 bilhões).
As enchentes começaram há mais de duas semanas na região montanhosa do noroeste do país e já atingiram um quarto do território nacional, incluindo a principal região agrícola do Paquistão.
As inundações, que são as piores da história do país, já deixaram cerca de duas mil pessoas mortas.
Na segunda-feira, o Banco Mundial disse que daria um empréstimo de US$ 900 milhões para ajudar o país a se recuperar das enchentes.
Mas a operação de ajuda emergencial da ONU permanece com falta de fundos, com apenas 36% dos US$ 460 milhões em doações pedidos pela organização recebidos até agora.
Agências humanitárias dizem que tem sido difícil comunicar a escala do desastre para o resto do mundo.
“Esta é uma enchente que foi crescendo com o tempo”, disse à BBC Bill Berger, assessor regional para o Sul da Ásia da USAID, a agência de ajuda internacional do governo americano.
“Eu não acho que o mundo tenha se dado conta da magnitude disso até agora, porque a história foi crescendo devagar. Ela não tem o drama de um terremoto, que tem um impacto sobre um número enorme de pessoas de uma vez”, afirmou.
‘Déficit de imagem’
Agências humanitárias também responsabilizaram o “déficit da imagem do Paquistão” pela falta de doações, já que doadores em potencial temem que os fundos possam ser desviados para o extremismo no país.
Uma porta-voz da organização Care International disse à agência de notícias France Presse que a ONU deve fazer mais para convencer os doadores de que o dinheiro “não vai cair nas mãos do Talebã”.
Autoridades sanitárias haviam alertado anteriormente sobre a ameaça de epidemias de doenças transmitidas pela água contaminada e afirmam que 3,5 milhões de crianças estão sob risco.
Organizações internacionais afirmam que o Paquistão pode enfrentar uma “segunda onda de mortes” por causa de doenças e por causa da falta de água e alimentos.
Fonte: BBC