Rede Novo Tempo de Comunicação

legenda

Rede Novo Tempo de Comunicação

Faculdades baratas superlotam classes e laboratórios


Por marciobasso 07/09/2010 - 09h11

O ingresso de estudantes da classe C no ensino superior brasileiro está levando muitas universidades e faculdades particulares a investir num modelo econômico de curso, que associa mensalidades reduzidas com classes muito grandes, formadas em geral por mais de 100 alunos.
 estratégia permite que as instituições fechem as contas no azul, mesmo cobrando mensalidades entre R$ 300 e R$ 500. Com salas maiores, caem os gastos com infraestrutura e, principalmente, o investimento em corpo docente – quanto maiores são as turmas, menos professores são necessários.
O modelo, porém, é polêmico. Alguns alunos aprovam, pela vantagem da mensalidade mais barata. Outros reclamam da bagunça nas aulas, da dificuldade para ouvir os professores, da pouca atenção para cada aluno e da falta de condições apropriadas em laboratórios.
Ao entrar em Educação Física da Universidade Paulista (Unip) no ano passado, Carolina Paiva, de 21 anos, não imaginava que a quantidade de colegas de sala representaria uma barreira ao aprendizado. No laboratório de anatomia, os mais de 100 alunos tinham de se espremer em volta do professor e do único exemplar de corpo.
“As aulas práticas também não eram produtivas. Para tudo era preciso ficar esperando”, conta. Segundo a estudante, a situação melhorou este ano porque a alta evasão reduziu a turma quase pela metade.
Aluno do 3.º ano de Ciências da Computação na Universidade Nove de Julho (Uninove), Caio Leandro Alves Madeira, de 20 anos, conta que no início do curso, quando sua turma tinha 80 alunos, faltavam até carteiras na sala e as aulas eram muito tumultuadas. “Não é como nos EUA, onde as salas são cheias mas todo mundo é interessado”, diz. Como resultado, muita gente desistiu do curso, sobrando apenas cerca de 30 alunos. “Está bem melhor, mas ainda hoje, nas aulas práticas, ficamos em dois por computador.”
Ademir Fonseca, de 40 anos, no último ano de engenharia elétrica da Uninove acredita que sua sala, com 70 alunos, tem um “tamanho bom”. Ao menos para aulas expositivas. “O problema mesmo é nos laboratórios. Tem sempre pouco equipamento. Falta até cadeira para todo mundo.”
A turma de contabilidade de Agnon Antônio da Silva Junior, na FMU, começou com quase 100 estudantes. “Fica uma bagunça”, diz.
A reclamação é a mesma de Fernanda Zanco, de 21 anos, no 3.º ano de administração na Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado (Fecap). “Com 80 alunos, se o professor faz uma piada, leva dez minutos até acalmar a classe”, diz.
Para o consultor em ensino superior Ryon Braga, o problema não está no tamanho das turmas em si, mas em como a instituição de ensino monta seu projeto pedagógico. “Na aula expositiva, não importa se são 50 ou 500. Mas nas universidades são necessários também momentos de interação e discussão. Nisso as classes devem ser divididas. Não dá para ter debate em uma sala com 80”, afirma.
Justificativa. Procuradas pela reportagem, a Unip e a Uninove não quiseram se pronunciar sobre o tema e as condições da sala. Para o presidente da Anhanguera Educacional, Antônio Carbonari Netto, o modelo das salas numerosas é necessário e positivo se for adotado com cuidado. “Claro que precisa ter estrutura para atender a todos. Mas não se pode ter aula teórica para só 30 ou 40 alunos; é desperdiçar um bom professor”, explica. “Muitos ainda não mudaram o paradigma, mas se você tem bons professores, ninguém reclama de estar em uma sala grande.”
Segundo a FMU, “algumas turmas, pontualmente, estão sendo divididas para atender a um melhor aproveitamento pedagógico e acadêmico”. A Fecap informou que o tamanho médio das turmas é de menos de 50 alunos. “Acreditamos que o sentimento não representa a opinião da grande maioria de nosso corpo discente”, diz a nota.
Fonte: Luciana Alvarez – O Estado de S.Paulo