Rede Novo Tempo de Comunicação

legenda

Rede Novo Tempo de Comunicação

Ex-presidente da UNE é acusado de usar o Prouni para propaganda política


Por marciobasso 02/09/2010 - 10h29

Diversos bolsistas do ProUni (Programa Universidade para Todos) receberam na última segunda-feira (31) um e-mail de propaganda eleitoral do candidato a deputado federal Gustavo Petta (PCdoB-SP). Por meio do Twitter e de blogs, eles acusam o candidato de uso dos dados do programa.
Segundo o MEC (Ministério da Educação), não houve disponibilização de quaisquer dados para o candidato. A assessoria de imprensa ressalta, ainda, que o MEC não tem informações financeiras dos bolsistas do programa, apenas nome e dados de endereço e e-mail.
O MEC admite que partilha listas regionais de e-mails com a UNE (União Nacional do Estudantes para a realização de eventos de mobilização dos bolsistas do Prouni. Petta foi presidente da UNE de 2003 a 2007. O MEC informou também que a UNE poderia usar essas listagens “exclusivamente” para a divulgação desses eventos. Se houve algum tipo de vazamento dessas listagens, a UNE pode responder judicialmente por isso.
O presidente da UNE, Augusto Chagas, disse que a instituição não forneceu seu cadastro para o candidato. “A UNE nunca disponibilizaria qualquer informação para nenhum tipo de campanha política”, afirmou. Perguntado se a entidade teria cadastros que especificassem se o estudante participava do Prouni, Chagas disse que “não teria condições de afirmar com certeza”. No entanto, ele confirmou que a entidade tem listas com os participantes dos eventos do programa.

“Votaria nele”

Os estudantes ouvidos pela reportagem dizem que não se cadastraram para receber informações sobre o candidato. “Achei um absurdo o nome do programa ser usado para propaganda política, não é certo. Se ele [Petta] não mandasse o e-mail talvez pensasse em votar nele, mas depois dessa história, não vou votar”, diz Carlos Ferreira Jr., 21 anos, estudante de jornalismo na Universidade Metodista de São Paulo.
“Como eles sabem que eu sou do Prouni? Se esse candidato tem acesso ao meu e-mail, será que não tem acesso aos outros dados pessoais?”, questiona Ibrahim César, 24, estudante de publicidade e propaganda das Faculdades Claretianas, em Rio Claro (SP).
Alguns bolsistas estranharam o fato de os e-mails terem chegado com seu nome completo, que só utilizariam em ocasiões como o cadastro em programas do governo. “Não apoio nenhum candidato e quando recebi até achei estranho –‘Como ele sabe que eu sou do Prouni’?”, diz Rebeca Sales, 21, estudante de turismo na Universidade São Judas Tadeu.

Outro lado

Rafael Minoru, coordenador do departamento de comunicação da campanha, diz que a lista de e-mails não utilizou dados do governo e tem contatos de “dez anos de vida pública” do candidato, incluindo bolsistas e não-bolsistas do Prouni. Segundo o coordenador, a relação é composta de contatos vindos de eventos realizados pela UNE (União Nacional de Estudantes) na época em que Petta foi presidente da entidade e de redes sociais, como o Orkut.
Por meio de nota, o candidato diz “lamentar” o ocorrido. “Peço desculpas por isso. (…) Todos que se irritaram, obviamente, podem ser excluídos do maling automaticamente. E os que pediram isso por email serão atendidos prontamente”, diz o candidato por meio de nota.
O advogado de Petta, Alexandre Rollo, afirma que a legislação eleitoral permite o envio de mensagens eletrônicas -desde que haja um mecanismo que permita o descadastramento do mailing. “O remetente, em 48 horas, tem que tirar da lista”, afirma.
Fonte: educacao.uol.com.br, com reportagem de Rafael Targino e Karina Yamamoto