Rede Novo Tempo de Comunicação

legenda

Rede Novo Tempo de Comunicação

Começa hoje campanha para doação de sangue e medula


Por marciobasso 18/04/2011 - 11h31

Começa hoje, segunda-feira (18), a campanha de doação de sangue promovida por jovens da Igreja Adventista. E, este ano, com uma novidade: o incentivo à doação de medula.

Neste ano, o projeto dará ênfase à doação de medula óssea


Uma fila pela solidariedade de quem doa e de quem recebe doações. O projeto Vida por Vidas, dos jovens da Igreja Adventista, é reconhecido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como uma das maiores campanhas de captação de sangue do país.
No Rio Grande do Sul, os voluntários também cadastram pessoas para o Registro Nacional de Doadores de Medula Óssea, que reúne dados de 2 milhões de brasileiros. É pouco, pois as chances de encontrar alguém compatível são de uma para 100 mil no país.
“O Brasil precisa de números grandes. Os Estados Unidos, por exemplo, têm 11 milhões de doadores. E o banco brasileiro de 2 milhões agora juntou-se com o banco americano. A seleção pode acontecer entre os dois países”, explica o chefe do serviço de imunologia do Hospital de Clínicas, Luiz Fernando Jobim.
Para mudar as estatísticas, os adventistas deixam de lado a folga do fim de semana para trabalhar. Em 2010, o grupo chamado de Galera da Medula cadastrou mais de 12 mil doadores.
“Se puderes ir em um hospital, no setor da oncologia, onde tem crianças, vais entender a urgência em fazer as campanhas de doação de sangue e de medula. Ajudar o próximo, eu acho que não custa nada”, lembra o presidente do Grupo Galera da Medula, Moisés da Silva.
Os jovens querem que o ato de doar seja lembrado mesmo quando há muitas outras coisas para fazer. Tatiane e Eliandro deram o exemplo. Eles se cadastraram para doar medula no dia do próprio casamento. E levaram até os convidados.
“Hoje é o dia mais feliz das nossas vidas. Então, a gente quer fazer a felicidade de outras pessoas também”, diz micro empresário Ernesto Eliandro Gomes.
Felicidade que a funcionaria pública Tânia Mara Nitz reencontrou. Depois de um ano de espera, surgiu um doador compatível com o filho dela, que está com leucemia.
“Pode ser um simples gesto, mas para quem vai receber é imenso, é a chance de poder aumentar o tempo de vida na terra”, diz.
Fonte: Jornal Nacional, 16/4/2011.
Assita a reportagem completa, que foi ao ar sábado (16): http://is.gd/XENbRF
Religiosamente, o sangue tem a conotação da morte de Cristo ao ser crucificado para, através de seu sacrifício, dar vida ao mundo. Exatamente por isso, a ênfase do projeto acontece nos dias que antecedem a Semana Santa.
Mais informações: Projeto Vida por Vidas