Rede Novo Tempo de Comunicação

legenda

Rede Novo Tempo de Comunicação

Brasil fica na lanterna das economias emergentes


Por marciobasso 07/06/2012 - 12h29

Com uma alta de 0,8% do PIB no primeiro trimestre deste ano em relação ao mesmo período de 2011, o Brasil apresentou um dos piores desempenhos entre os emergentes quando se avalia a taxa de crescimento de sua economia.
Um levantamento feito pela BBC Brasil com, aproximadamente, 40 países revela que o Brasil foi o que menos cresceu entre os Brics. No mesmo período, de janeiro a março de 2012, a China cresceu 8,1%, a Índia 5,8% e a Rússia 4,9%, na comparação com a igual variação mensal do ano passado.
O desempenho da economia brasileira também foi inferior a de seus vizinhos latino-americanos, como a Argentina (+4,8%), Chile (+5,6%), México (+4,6%), Peru (+6%) e, até mesmo, a Venezuela (+5,6%).
O país, entretanto, não foi o único a revisar para baixo o crescimento da soma de seus bens e serviços no início deste ano.
Dados divulgados recentemente pelos órgãos de estatísticas da China e da Índia também indicaram uma desaceleração do PIB maior do que aquela prevista inicialmente dos especialistas.
Com uma queda acentuada da produção agropecuária (-8,5%) e dos investimentos (-2,1%) na comparação anual, a economia brasileira teve o pior desempenho na comparação anual desde o quarto trimestre de 2009, quando o Brasil registrou queda de 1,2%, em relação a igual período de 2008.

Desenvolvidos

O resultado da economia brasileira nos três primeiros meses de 2012 sobre igual período do ano passado foi ligeiramente melhor do que muitos países desenvolvidos, especialmente europeus.
Na mesma base de comparação, o PIB do Brasil foi superior ao da França (+0,3%), Itália (-1,3%), Espanha (-0,4%), Holanda (-1,3%), Portugal (-2,2%), Grã-Bretanha (0%) e Grécia (-6,2%).
Por outro lado, a economia brasileira cresceu menos do que o da Alemanha (+1,2%), Coreia do Sul (+2,8%) e Cingapura (+1,6%).

Crescimento do PIB*

China: +8,1%
Peru: +6%
Venezuela: +5,6%
Chile: +5,6%
Índia: +5,3%
Rússia: +4,9%
Argentina: +4,8%
Estados Unidos: +3%
África do Sul: +2,1%
Alemanha: +1,2%
França: +0,3%
Grã-Bretanha: 0%
Grécia: -6,2%
União Europeia: +0,1%
Zona do euro: 0%
*Comparação entre 1º trimestre de 2012 e 1º trimestre de 2011
Fonte: Banco Mundial, Eurostat e IBGE