Rede Novo Tempo de Comunicação

legenda

Rede Novo Tempo de Comunicação

Autoridades dizem que igrejas poderiam servir como centros de saúde


Por marciobasso 01/07/2010 - 12h24

As igrejas adventistas do sétimo dia deveriam se tornar centros de saúde comunitários, usando a influência de pessoas comuns para promover a saúde e o bem-estar, disseram os oficiais internacionais de saúde durante um seminário, na última terça-feira, 29 de junho, durante a 59º Conferência Mundial dos Adventistas, que se realiza de 23 de junho a 3 de julho no Georgia Dome, Atlanta, EUA. “Na Sede Mundial da Igreja, podemos afirmar, mas sabemos que a implementação inicia em seu nível, no campo”, disse Allan Handysides, diretor do Ministério de Saúde da Igreja mundial.
Handysides estava falando em um painel de representantes da Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), um escritório regional da Organização Mundial de Saúde, que recentemente estabeleceu colaboração com a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Eles e os diretores do Ministério de Saúde incentivaram as congregações a encontrarem formas de promoverem o melhor estilo de vida entre as pessoas em suas comunidades, enquanto também descrevem o trabalho e o papel da OPAS.
“Há organizações que contam com pessoas íntegras, pessoas com espírito de missão… e propósito, comprometidas e dedicadas”, disse Handysides, elogiando a OPAS por sua abertura e disposição de colaborar.
“Lidar com os aspectos da saúde na comunidade requer realmente que todos trabalhemos em nosso nível para melhorar a saúde”, disse Herman Montenegro, coordenador de projeto para os serviços integrados de saúde da OPAS, uma agência regional da Organização Mundial de Saúde, uma agência das Nações Unidas. “Na comunidade, você tem uma situação privilegiada porque compreende essa comunidade, você a conhece, conhece as pessoas, conhece sua história, sua cultura”.
“Certamente”, disse Christopher Drasbeck, consultor sênior da OPAS para a integração da saúde da criança, “trabalhar com organizações com fundamento na fé é muito importante, um relacionamento sustentável no qual necessitamos trabalhar coletivamente”.
Drasbeck citou a estatística desalentadora que sua organização busca combater: 8,8 milhões de crianças abaixo dos 5 anos morrem a cada ano devido à pneumonia, diarréia e desnutrição, de acordo com os dados de 2008. No Caribe e na América Latina, aproximadamente 400 mil crianças abaixo dessa idade morrem, ele afirmou.
“Podemos prevenir dois terços dessas mortes a um custo baixo, com base na evidência e intervenções altamente eficazes”, Drasbeck disse, referindo-se à última estatística. “Com a igreja (adventista)… esperamos poder trabalhar juntos”.
“As intervenções – 16 ‘práticas familiares-chave’ – são simples e promovem aspectos como crescimento físico, saúde mental, prevenção de doenças e a busca de cuidados”, Drasbeck acrescentou.
“Vocês são pessoas com a capacidade de tomar essas decisões e fazer intervenções em sua comunidade”, Drasbeck disse aos que estavam presentes no Georgia Dome. “Todos poderíamos dizer que somos uma comunidade de servidores na área da saúde…. Temos de abordar isso como uma comunidade fundamentada em um projeto”.
“A OPAS existe para facilitar o trabalho e prover os recursos”, ele afirmou. Handysides enfatizou que a OPAS não é uma organização que provê recursos financeiros.
Em um esforço similar para promover o viver saudável, a Igreja Adventista, recentemente, lançou um novo website: www.positivechoices.com – e está trabalhando em outro: www.healthministries.com.
O site www.positivechoices.com provê uma “visão equilibrada, com base na evidência e prática da saúde adventista ao mundo, através da Web”, com sugestões diárias sobre saúde e outras informações, disse Fred Hardinge, especialista em saúde que desenvolveu o site e ajudou a criar a Bibleinfo.com.
A Igreja Adventista do Sétimo Dia foi convidada a explorar o relacionamento com a Organização Mundial Saúde, em dezembro de 2007. A Igreja está também buscando ajudar a OMS a cumprir os Alvos Desenvolvimentistas do Milênio, das Nações Unidas, os quais incluem a melhora da saúde materna e o combate ao HIV/AIDS e malária.
Em abril, administradores adventistas votaram aceitar o convite da Organização Mundial de Saúde de colaborar em um programa para reduzir a mortalidade materna e infantil.
Equipe ASN, Arin Gencer