Rede Novo Tempo de Comunicação

Tempo de Refletir

O grande ausente

Tempo de Refletir


Por Rádio NT 12/04/2020 - 05h17
00:00
00:00
Volume
Velocidade

João 20:24: “Ora, Tomé, um dos doze, chamado Dídimo, não estava com eles quando veio Jesus”.

Jesus havia sido crucificado na sexta-feira. O sábado havia passado e, no domingo, ao entardecer, dez discípulos se reuniram a portas fechadas no cenáculo – o mesmo aposento onde já haviam se reunido alguns dias antes para celebrar a última ceia.

Duas cadeiras estavam vazias. Uma delas pertencera a Judas. Por isso, ele não estava sendo esperado. Todos sabiam que ele, após trair o Mestre, levando-O à morte de cruz, não resistira ao desespero e sentimento de culpa e, retirando-se, foi se enforcar. Judas nunca mais viria às reuniões.

A outra cadeira vazia pertencia a Tomé, chamado Dídimo. Os demais apóstolos o esperavam, pois ele era um dos doze. Mas Tomé não compareceu. Onde estava ele e por que não viera? Teria ele alguma coisa mais importante para fazer? Teria assumido algum outro compromisso?

Ali estavam dez apóstolos, confusos, frustrados e temerosos quanto ao futuro. Mas Jesus veio e infundiu-lhes ânimo. Foi uma pena que Tomé, justamente o mais triste e amargurado de todos, não estivesse presente.

Ele não foi porque havia perdido a esperança. Acreditava firmemente que Jesus estava morto e que a causa pela qual havia lutado estava perdida para sempre. Ele achava que o encontro com seus colegas não lhe faria bem. Por isso, preferiu ficar em casa.

Mas Tomé estava redondamente enganado, pois a reunião, em vez de ser um lamento pela glória do passado, foi uma ocasião de regozijo. Foi maravilhosa, porque Jesus esteve presente. E Ele promete estar presente ainda hoje, “onde estiverem dois ou três reunidos” em Seu nome (Mt 18:20). Onde quer que haja corações sedentos da Sua presença, ali Ele também está.

“Disseram-lhe, então, os outros discípulos: Vimos o Senhor. Mas ele respondeu: Se eu não vir nas Suas mãos o sinal dos cravos, e ali não puser o dedo, e não puser a mão no Seu lado, de modo algum acreditarei” (Jo 20:25).

E o que é que esse incrédulo fez, oito dias depois? Compareceu a uma nova reunião com os discípulos! Ele duvidava, mas procurava a resposta para suas dúvidas. Desta vez ele viu Jesus, apalpou-O, e creu. “Disse-lhe Jesus: Porque Me viste, creste? Bem-aventurados os que não viram e creram” (Jo 20:29).

Consideremo-nos bem-aventurados, super felizes, porque não O vimos, mas cremos.

Reflita sobre isso no dia de hoje e ore comigo agora:

Obrigado, Pai, porque Jesus morreu na cruz do calvário, mas não ficou na sepultura. Ele ressuscitou! E a ressurreição de Jesus, Pai, é a garantia da nossa vitória e também da nossa ressurreição. Agora, só falta Jesus voltar, Pai. Por favor, estamos ansiosos por esse momento. Nos ajude a estarmos preparados para isso. Por favor. Em nome de Jesus, amém!