Rede Novo Tempo de Comunicação

legenda

Rede Novo Tempo de Comunicação

AMD lança chips e desafia Intel


Por marciobasso 15/06/2011 - 03h45

A AMD (Advanced Micro Devices), há quase um semestre sem executivo-chefe, está lançando novos processadores dirigidos a computadores pessoais de massa e quer desafiar as rivais Intel e Nvidia.

Os chips Llano, da AMD, que incluem processadores centrais e gráficos, são dirigidos a laptops de potência média e alta e a computadores de mesa.
Parte da família AMD Fusion, eles oferecem duração de bateria muito maior e, em breve, estarão disponíveis em laptops e computadores de mesa, de acordo com a empresa.
Um ganho de 1% de participação no mercado de notebooks elevaria o faturamento da AMD em US$ 137 milhões, de acordo com Uche Orij, analista do UBS. Alguns analistas especulam que a Intel, cujos processadores equipam 80% dos computadores mundiais, pode responder a qualquer sinal de perda de vendas com um corte de preços.
As vendas explosivas do Apple iPad estão prejudicando a demanda por computadores pessoais, e os investidores puniram as ações da AMD e Intel neste ano, porque nenhuma das duas conseguiu até agora conquistar território no mercado móvel.
Em janeiro, o conselho da AMD demitiu abruptamente o executivo-chefe Dirk Meyer, devido a preocupações por ele não ter direcionado esforços a computadores tablet e celulares inteligentes.
Neste ano, a Intel também lançou uma nova linha de chips para computadores pessoais que igualmente combinam processamento e funções gráficas, mas os investidores têm se interessado bem mais pela falta de progresso da empresa no segmento de aparelhos móveis.
Enquanto isso, o poderio gráfico acrescentado aos novos chips da Intel e da AMD deve ser mais que suficiente para muitos usuários de computadores, o que reduzirá a demanda por placas gráficas adicionais, especialidade da rival Nvidia por muitos anos.
Ciente do futuro limitado de seu mercado base de processadores gráficos, a Nvidia está usando seus conhecimentos nesse segmento para se expandir ao setor de processadores de baixo consumo de energia para tablets e celulares inteligentes, que cresce rapidamente.
Os novos chips da AMD são fruto de sua aquisição da ATI, uma empresa canadense de projeto de chips gráficos, por US$ 5,4 bilhões em 2006.
Fonte: Reuters, em San Francisco